Veiculo:
VALOR ECONÔMICO (SP)
  Secao:
EMPRESAS | INFRAESTRUTURA
  Data:
2015-09-29
  Localidade:
SÃO PAULO
  Hora:
09:57:04
  Tema:
ANTAQ
  Avaliação:
POSITIVA
  Autor: Por Fernanda Pires | De Santos

JCR busca sócio estratégico para terminal de contêineres

A JCR Administrações e Participações está à procura de um sócio estratégico para operar o Porto Pontal, o terminal de contêineres de uso privado que planeja erguer no Paraná, Estado que hoje tem apenas um terminal desse tipo, o TCP.
 
A companhia pretende fazer do Porto Pontal o maior terminal de contêineres do país, com capacidade anual para movimentar 2,5 milhões de Teus (contêiner de 20 pés). O investimento é de R$ 1,5 bilhão.

"Se não acharmos um sócio que enxergue o valor [do ativo] vamos ficar sozinhos e contratar um operador portuário", diz Ricardo Salcedo, diretor do Porto Pontal. A JCR não tem experiência no setor. O grupo paranaense, do empresário João Carlos Ribeiro, começou no segmento de construção civil na década de 70. Atuou nas áreas de tecnologia da informação e rastreamento de veículos e cargas. Hoje o Porto Pontal é o principal investimento do grupo.

A companhia tem mantido conversas com operadores internacionais de terminais de contêineres que querem entrar no Brasil ou já têm negócios aqui e estão em busca de expansão. Salcedo mantém os nomes em sigilo devido a acordos de confidencialidade. Mas o Valor apurou que o negócio chegou a interessar a APM Terminals, do mesmo grupo do armador Maersk Line, que estuda fazer de Paranaguá sua opção no Sul, já que enfrenta dificuldade para renovar junto ao governo o arrendamento do terminal que explora em Itajaí (SC), onde vem perdendo carga.

Mas tudo indica que o desembarque da APM no Paraná será via aquisição do TCP. A APM assumiu neste mês o controle do espanhol Grup Maritim TCB, acionista minoritário do TCP, com 5%. A finalização da transação ainda depende da aprovação de órgãos de controle, pois o TCB tem participação em 11 terminais na Europa e América Latina.

O diretor superintendente da APM Terminals no Brasil, Ricardo Arten, não confirma qualquer negociação de aquisição integral do TCP. Por sua vez, o TCP disse que não comenta especulações de mercado. "Não há terminais específicos que interessem à APM Terminals ou novos negócios a serem fechados no curto prazo", disse Arten, completando que o Brasil "como um todo" interessa à empresa.

O projeto Pontal começou a ser maturado há 15 anos. Sofreu contramarchas devido a barreiras regulatórias, como a exigência de terminais de uso privado (os TUPs) terem carga própria preponderante para prestar serviços a terceiros, imposição que caiu em 2013 com a edição da nova Lei dos Portos. A Antaq, a agência reguladora do setor, já tinha autorizado a exploração da instalação e o Ibama emitiu neste ano a licença de instalação. A expectativa é que a pedra fundamental da obra seja lançada em dezembro e a inauguração comercial ocorra em 2018.

O alvo da instalação são as cargas das regiões que vão de Santa Catarina ao Rio de Janeiro. "O Paraná deixa hoje de escoar cerca de 400 mil Teus por ano devido à limitação de oferta portuária", afirma Salcedo.

O potencial inicial de movimentação será para 600 mil Teus e crescerá de forma escalonada. A capacidade de 2,5 milhões deverá ser alcançada em até 15 anos via ganhos de eficiência com equipamentos e tecnologia, pois o terminal será lançado já com o layout de obra civil completo. A área será de 627 mil metros quadrados, sendo 450 mil metros quadrados para o pátio de contêineres, e 1 quilômetro de cais. Inicialmente haverá 1.500 tomadas para contêineres refrigerados - para atender cargas como carnes, um dos filões do Sul. Mas a promessa é que quando estiver completo o terminal terá 5 mil tomadas para as cargas "reefers".

Os dois terminais no Brasil que terão capacidade similar à que o Porto Pontal pretende alcançar são o Tecon Santos, da Santos Brasil, que irá para 2,4 milhões de Teus anuais, e o TCP, seu concorrente direto, que terá 2,5 milhões de Teus de oferta também após uma ampliação.

De acordo com Salcedo, comparar capacidades numéricas não diz tudo. Seus concorrentes, afirma, sofrem limitações logísticas, como o fato de a cidade ter crescido em volta do porto. "O terminal pode até ter capacidade para movimentar 3 milhões de Teus, mas a carga tem como chegar e sair de lá? As filas de caminhões são um gargalo", diz. O Porto Pontal ficará longe da área urbana, na entrada da Baía de Paranaguá, a 23 quilômetros do alto mar. O calado operacional será de 16 metros, suficiente para atender navios grandes.