Veiculo:
GAZETA DIGITAL (MT)
  Secao:
ECONOMIA
  Data:
2018-11-09
  Localidade:
MATO GROSSO
  Hora:
09:56:08
  Tema:
Portos
  Avaliação:
NEUTRA
  Autor: SILVANA BAZANI

Novo encontro está previsto para 2019

Outro encontro entre empresários, autoridades e membros da comunidade italiana está previsto para o início de 2019.
 
DA REDAÇÃO

Segundo o cônsul geral da Itália em São Paulo, Filippo La Rosa, a Itália precisa dos recursos que Mato Grosso tem e por isso é preciso estreitar a relação. Além de fomentar a aquisição de produtos matogrossenses, a representação diplomática da Itália no Brasil busca prospectar o mercado local para futuros investimentos.
Segundo o cônsul, dezenas de empresas italianas constroem e fazem gestão de rodovias, ferrovias, hidrovias e portos. "É um sistema complexo no qual podemos dar nossa contribuição, praticamente no conjunto inteiro de obras que está nos planos do governo federal do Brasil". Outra área de interesse é a troca de conhecimento sobre tecnologia. "Mato Grosso é um grande produtor de matérias-primas, muitas vão para a Itália, que acho que continuará comprando produtos primários, mas pode fazer mais que isso".
Ele lembra que a relação comercial entre Itália e Brasil é centenária. O interesse dos industriais italianos pelo território brasileiro foi despertado pela perspectiva de produzir com matéria -prima e recursos humanos locais e acessar um imenso mercado consumidor nacional formado por aproximadamente 200 milhões de pessoas, além de outros países da América Latina. "Produzir aqui é uma forma de alcançar mercados continentais da América Latina", conclui La Rosa.
Presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Jandir Milan entende que os empresários têm muito o que aprender com os italianos. Na Itália as micro e pequenas empresas respondem por 65% da exportação, afirma Milan. "Entendo que no Brasil a falta de cultura no comércio internacional prejudica as empresas, que deveriam destinar no mínimo 50% da produção para o mercado externo".
Superintendente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Mato Grosso, José Guilherme Barbosa Ribeiro, concorda que as empresas precisam ser despertadas para a exportação e isso pode ser feito não só em rodas de negócios mas por meio da facilitação no contato com importadores.