Veiculo:
A TRIBUNA (SP)
  Secao:
ECONOMIA
  Data:
2019-01-13
  Localidade:
SÃO PAULO
  Hora:
08:12:46
  Tema:
companhias docas,portos
  Avaliação:
NEUTRA
  Autor: LEOPOLDO FIGUEIREDO e MARCELO SANTOS - mercadoregional@atribuna.com.br

Gestão portuária pública I

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária (Sindaport), Everandy Cirino dos Santos, defende que as companhias docas "as autoridades portuárias" continuem como entes públicos.
 
"Nós acreditamos no futuro dos portos brasileiros e das companhias docas, desde que esse trabalho seja em conjunto. Terminais portuários, armadores, operadores e trabalhadores podem e devem caminhar lado a lado sob supervisão das autoridades portuárias públicas, basta que para isso cada um faça a sua parte sem lobby, desvio de dinheiro público e corrupção", destacou, em nota divulgada ontem.

Gestão portuária pública II
Para Cirino, a recente portaria do Governo que viabiliza uma maior autonomia administrativa para as autoridades portuárias é "o ponto pé inicial para uma nova oportunidade que as companhias docas têm para provar que podem atuar de forma profissional, livre de indicações políticas, cabide de empregos, excesso de cargos comissionados e de chefias. Ou seja, é preciso fazer a lição de casa e a hora é essa".