Estudo vai investigar impacto do desastre da Vale na saúde da população de Brumadinho
  Veiculo:
G1 (RJ)
  Secao:
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
  Data:
2019-08-15
  Localidade:
RIO DE JANEIRO
  Hora:
15:29:24
  Tema:
FIOCRUZ
  Avaliação:
POSITIVA

Pesquisa da Fiocruz e da UFMG deve durar 20 anos. rompimento de barragem provocou a morte de 248 pessoas e 22 seguem desaparecidas.
 
Por G1 Minas — Belo Horizonte
15/08/2019 05h30 Atualizado há 9 horas

Um estudo sobre o impacto do desastre da Vale na saúde da população de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, será lançado nesta quinta-feira (15) durante um seminário que ocorre na cidade.

A pesquisa será feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e deve dura 20 anos. Ao longo deste período, os pesquisadores vão acompanhar a vida dos moradores para saber se houve aparecimento de doenças crônicas agudas e se houve mudança de hábitos, como aumento de tabagismo e alcoolismo.

Os primeiros resultados devem sair daqui a quatro anos. O município já identificou, que depois do rompimento da barragem da Vale, houve crescimento de 60% no uso de ansiolíticos e 30% no de antidepressivos, baseado no atendimento nas unidades de saúde.

A barragem I da Mina Córrego do Feijão se rompeu no dia 25 de janeiro deste ano provocando, até o momento, a morte de 248 pessoas. Vinte duas vítimas seguem desaparecidas. O rejeito despejado atingiu a usina de minério, a área administrativa e o refeitório da empresa. O tsunami de rejeitos ainda atingiu vilarejos da cidade e o leito do Rio Paraopeba.

O evento
Além dos impactos nas redes de atenção, o evento vai discutir a situação atual dos afetados, mostrando alterações nos hábitos da população; os potenciais riscos considerando o uso das águas do Rio Paraopeba e outros impactos ambientais. Também estarão em pauta os efeitos da tragédia no setor econômico dos municípios atingidos, os processos sociais e econômicos que se encontram na raiz de tais desastres, bem como a relação de tragédias dessa natureza e a violação dos direitos humanos.

Pesquisadores, gestores e profissionais que atuam em diferentes áreas estarão presentes.
 
Leia Direto da Fonte.